30 de maio de 2008

Congresso Estadual da UJS
Vai ocorrer no Centro Cultural da UFMT...Venha participar!!

31/05/08 - SÁBADO
08:00 – Abertura dos trabalhos (informações sobre a história da UJS e os municipais)
08:30 – Leitura do Manifesto e debate sobre a tese
12:00 – Almoço e fim do Credenciamento
14:00 – Grupos de trabalho (GT´s)
16:00 - Finalização das discussões nos grupos de trabalho
16:30 – Futebol, gincana e oficinas
19:00 – Filme da história da UJS
19:30 – Debate sobre Movimento estudantil
22:00 – Atividade Cultural

01/06/08 – DOMINGO
08:00 - Plenária de instalação “Se o presente é de luta, o futuro nos pertence”, com eleição, posse da nova Diretoria Estadual e escolha de delegados para a nacional.

11:00 – Almoço
12:00 - Encerramento

Os grupos de trabalho tratarão das seguintes temáticas:
Jovens Trabalhadores
Jovens Cientistas
Movimento Cultural
Jovens mulheres
Movimento comunitário
Jovens esportistas
Políticas publicas de saúde
Hip- hop
Movimento ambientalista
Movimento pela democratização dos meios de comunicação e das novas tecnologias da informação
Ampliação das frentes da UJS
Movimento pela livre orientação sexual
Movimento de Luta contra o Racismo

29 de maio de 2008

Acesso à universidade: Avanços no Fies e no ProUni

Caixa Econômica Federal informa que irá renegociar de contratos dos estudantes inadimplentes com o Fies e governo anuncia que dobrará o número de bolsas do ProUni em 2008

Na última semana o governo brasileiro anunciou novidades em dois programas de acesso ao ensino superior: o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (Fies) e o Programa Universidade para Todos (ProUni).

A Caixa Econômica Federal informou nesta sexta-feira (24) que irá renegociar os contratos dos estudantes que estiverem inadimplentes com o Fies. No mesmo dia foi publicado no Blog do jornalista Josias de Souza a notícia de que o governo decidiu dobrar o número de bolsas de ensino do ProUni. Em 2008, serão 119.529 bolsas. No ano passado, foram concedidas 55 mil.

"Tanto o aumento na concessão de bolsas para o ProUni quanto a possibilidade de renegociação de dívidas do FIES são antigas reivindicações da UNE e da UBES. O Fies, por exemplo, tinha dois grandes entraves: a necessidade de fiador e os altos juros. As novidades anunciadas para os programas viabiliza o acesso da juventude ao ensino superior", disse a presidente da UNE, Lúcia Stumpf.

Porém a líder estudantil alerta para a importância de regulamentar o ensino superior privado para manter a qualidade da educação. "Ampliar o acesso à universidade é fundamental, modifica o perfil dos universitários brasileiros. Desde a implantação de programas como esses, filhos da classe trabalhadora tem tido a chance de ingressar no ensino superior. Mas é importante ressaltar que além do aumento no número de vagas, é preciso garantir qualidade e também a ampliação das universidades públicas".

Sobre o aumento de vagas no ProUni, o presidente da UBES, Ismael Cardoso, disse: "Realizamos encontros com estudantes beneficiários do programa, no Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina, entre outros estados, debatendo o ProUni ponto a ponto, sugerindo alterações e aperfeiçoamentos, tudo com o objetivo de garantir que o programa seja mais abrangente e cumpra o papel de incluir a juventude. A ampliação de vagas é, sem dúvida, uma grande conquista".

Renegociação de dívidas com o FIES
Segundo a Caixa Econômica, as prestações serão adequadas à capacidade de pagamento dos estudantes. Agora, o aluno poderá incorporar as prestações vencidas ao saldo devedor. Para renegociar o contrato, o estudante tem de estar inadimplente por no mínimo 60 dias --a contar do dia 20 de novembro de 2007-- e permanecer na mesma situação até a data da renegociação. O contrato também precisa estar na última fase de amortização --após os primeiros 12 meses de pagamento.

Além disso, o estudante não pode ter ação judicial em andamento com o Fies. Caso tenha pendências com a Justiça, a renegociação deve ser formalizada em juízo.

Para renegociar a dívida, o interessado deve apresentar um fiador cuja renda mínima seja superior ao dobro do valor da nova prestação calculada. Caso o aluno fique inadimplente após a renegociação, a dívida será passada ao fiador.

A renegociação será permitida uma única vez para cada contrato. O interessado deve apresentar-se, com seu fiador, na agência da Caixa onde o acordo foi firmado inicialmente, para iniciar a renegociação.

Mais universitários
No final de março, o Ministério da Educação mudou as regras do Fies para, em três anos, dobrar a população universitária brasileira. Hoje há 3,9 milhões de estudantes de graduação.

De acordo com uma portaria assinada pelo ministro Fernando Haddad, estudantes com bolsa de 50% concedida pelo ProUni (Programa Universidade para Todos) agora poderão financiar, por meio do Fies, a outra metade do valor do curso. Até agora, havia permissão para o financiamento de até 25% da mensalidade.

A portaria do MEC vai permitir prazo maior para a quitação do empréstimo, de até duas vezes o tempo de duração do curso. Também haverá uma redução de 6,5% para 3,5% na taxa anual de juros para carreiras prioritárias, como licenciaturas, pedagogia, carreiras da área tecnológica.

Outra novidade será a autorização para financiamento em compromisso assumido por grupos de até cinco estudantes, numa opção batizada de "fiador solidário". As novas regras passarão a valer no segundo semestre deste ano.

O Fies, que em 1999 substituiu o Sistema de Crédito Educativo, financia cursos em universidades privadas. O programa se destina a estudantes de baixa renda. Há hoje 449.786 beneficiados.

Mais bolsas para o ProUni
O governo decidiu dobrar o número de bolsas de ensino do ProUni. Em 2008, serão 119.529 bolsas. No ano passado, foram concedidas 55 mil.

Aberto há quatro dias, o processo de inscrição vai até o dia 6 de junho. Há bolsas "integrais" (45.198) e "parciais" (15.196), que dão às instituições de ensino o direito de abater os valores correspondentes nos impostos.

Há também bolsas "adicionais" (28.882). Nesses casos, não existe compensação tributária às faculdades.

Há, por último, o que o Ministério da Educação chama de bolsas "complementares". Cobrem 25% do total das mensalidades em faculdades privadas.

O MEC oferece a possibilidade de cobertura dos outros 75% em dois casos: 1) para alunos que alcançaram o grau 4 ou 5 no último Enade (Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes); 2) para estudantes que optem por cursos que o governo considera prioritários.

O dinheiro virá do Fies. A lista de prioridades do MEC inclui medicina, engenharia e geologia, além de licenciaturas em física, química, matemática e biologia.

Para concorrer às bolsas, o candidato terá de se encaixar em certos pré-requisitos. Por exemplo:

» É preciso comprovar que fez, em 2007, o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Mais: só terão direito a disputar as bolsas do MEC os alunos que cravaram na prova um mínimo de 45 pontos;

» Só podem se candidatar à bolsa os alunos que fizeram o ensino médio em escolas públicas;

» Abriu-se exceção para estudantes de escola privada, desde que comprovem: 1) que dispunham de bolsa de estudos integral; 2) que a renda de suas famílias é de até um salário mínimo e meio por pessoa (R$ 622,50), para os que desejam bolsa universitária integral; ou de até três salários mínimos por pessoa (R$ 1.245,00), para os que pleiteiam bolsa parcial de 50% do valor da mensalidade.

Educação aprova livre organização de entidades estudantis na LDB

Para UNE e UBES, a alteração na Lei de Diretrizes e Bases é de extrema importância porque dá a possibilidade das entidades estudantis se organizarem livremente sem precisar prestar contas à instituição

A Comissão de Educação e Cultura aprovou no último dia 14 o substitutivo da deputada Alice Portugal (PCdoB-BA) ao Projeto de Lei 6993/06, que altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB - Lei 9.394/96) para assegurar a liberdade de organização das entidades representativas de estudantes.

Segundo o presidente da UBES, Ismael Cardoso, "uma lei similar já existe dentro do ensino de base, que é chamada a Lei do Grêmio Livre dentro das escolas, só que não era efetivamente implantada. A alteração na LDB é de extrema importância porque dá a possibilidade das entidades estudantis se organizarem livremente sem precisar prestar contas à instituição".
"O que devemos fazer agora, é cobrar para que essa lei seja efetivamente implantada e a gestão democrática colocada em prática, pois assim, as entidades estudantis poderão agir livremente para a melhoria da educação dentro das instituições", reforçou Ismael.

Para a relatora, a LDB fez grandes avanços ao descentralizar a educação e prever a gestão democrática dos estabelecimentos públicos de ensino, mas não foi suficientemente explícita sobre a livre organização estudantil, e também sobre sua participação na gestão das escolas.

De acordo com o diretor de políticas educacionais da UNE, Rafael Chagas "a essa medida sempre foi defendida pela UNE e pela UBES, pois a independência das entidades estudantis é fundamental para que elas implantem ações de melhorias dentro das instituições".
"Ás vezes as entidades dependem do espaço físico das instituições, mas devem agir com autonomia e cobrar para que essa autonomia seja de fato implementada", completou Rafael.

Mudanças

Alice Portugal apresentou substitutivo em que sugere duas mudanças no teor da matéria. A primeira retira do texto original, do deputado Rubens Otoni (PT-GO), a vinculação entre a organização estudantil e o funcionamento das instituições de ensino. "Compreendemos que a preocupação do parlamentar foi a de garantir espaço de interlocução às entidades representativas dos estudantes, mas não é razoável impor essa condição na relação que se estabelece entre o Poder Público e as instituições de ensino", observa. Ela lembra que a Constituição estabelece que o ato de associação é livre, e que, portanto, a organização estudantil não está na alçada das instituições de ensino.

A segunda mudança prevê que só poderão integrar os conselhos escolares os estudantes emancipados. Segundo a deputada, a emenda segue o mesmo cuidado adotado na regulamentação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). Ela acredita que a participação de estudantes em conselhos das escolas públicas implica "responsabilidade civil pelos atos e decisões administrativas tomadas".

Tramitação

A proposta, que tramita em caráter conclusivo, será analisada agora pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

24 de maio de 2008


"TARDA! TARDA! TARDA MAS NÃO FALHA, AQUI ESTÁ PRESENTE A JUVENTUDE DO ARAGUAIA! U-J-S, U-J-S, U-J-S".

São 180 milhões de brasileiros. Aproximadamente 32%, o equivalente a 57 milhões, são estudantes secundaristas. É um ótimo recorte de pessoas capazes de transformar a sociedade. Quer mudar o Brasil? Não fique só na vontade.

União da Juventude Socialista de Mato Grosso, convida para participar nesse sábado, do Congresso Municipal de Cuiabá, sendo secundaristas, universitários e interessados em conhecer melhor a Juventude do Araguaia.

Vão ser tratados muitos temas relevantes para o fortalecimento de consciência política da militância, como as transformações na América Latina, a luta em coletividade, a importância do protagonismo da UJS nos movimentos sociais, assim como já é no movimento estudantil; para a construção do socialismo com a nossa cara, já publicado no manifestoda UJS em 1999: "Não queremos fórmulas. Nosso socialismo será verde-amarelo, tocará viola, dançará samba e rock. Fará carnaval e jogará futebol. Será construído a partir da nossa realidade e caminhos que descortinaremos. Beberá da experiência da história de luta donosso povo", (Manifesto Socialismo Com a Nossa Cara/1999).

Vai esclarecer e "abrir" a cabeça de muitas pessoas para o verdadeiro objetivo e sentido da sigla UJS...principalmente da letra "S". Que em um país onde se tem a igualdade, como em Cuba, as pessoas podem viver em condições mais humanas, igualitariamente.

"Chega de cinismo, de hipocrisia, de mentiras, de violência! Chega de gente que quer se dar bem a qualquer preço, que banca a vítima só pra levar vantagem, gente que não tem vergonha na cara e faz xixi na rua! Chega de favelização, de dengue, de asfalto esburacado, chega de falta de cuidado com a saúde do povo, de governantes omissos! Chega de roubo! Chega de bancar o avestruz e enterrar a cabeça na areia pra não ver o que está errado! Chega, chega, CHEGA, CHEGAAAAAAAAA!!!" - até a Globo é capaz, de as vezes, admitir que o Brasil tem que mudar, e precisa ser logo...

Vamos pegar carona nessa bandeira do "CHEGAAA", levantar a nossa bandeira e lutar, pois como já dizia o Che: "Se o presente é de luta, o futuro nos pertence". Temos que unir a juventude e lutar por uma sociedade mais justo e igualitária, chega de achar que ficando sentado em frente a TV, apenas criticando o governo, vai resolver, vamos mudar agora, vamos gritar para que eles possam nos ouvir, ouvir nossas reclamações e angustias, pois somos o futuro dessa nação tão desvalorizada. TEMOS QUE SER OUVIDOS, vamos fazer eles lembrarem que a juventude está de olho: "Nas ruas, nas praças, quem disse que sumiu, aqui está presente o movimento estudantil"

Hoje, as 13:30h, no Colégio Nilo Povoas, Congresso Municipal de Cuiabá. Venha participar!!

21 de maio de 2008

Caravana da UNE: saúde, educação e cultura, será lançada dia 11 de agosto, no Rio de Janeiro

Entidade promoverá debates sobre a saúde dos jovens para que as políticas públicas atuem de maneira mais eficiente. A Caravana também prevê discussões sobre a situação da educação no País e atividades culturais

No dia 11 de agosto, data em que se comemora o Dia do Estudante, a UNE lança mais uma grande campanha para mobilizar os jovens de todas as regiões do País. Trata-se da Caravana da UNE: saúde, educação e cultura.

O lançamento acontecerá no terreno da UNE e da UBES, na Praia do Flamengo, 132, no Rio de Janeiro. Durante o evento serão realizadas várias atividades e intervenções culturais.

Após o lançamento, no dia 11 de agosto, a Caravana iniciará efetivamente suas atividades na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) no dia 12, e no dia 14 de agosto estará na Universidade Estácio de Sá.

A iniciativa inédita é uma parceria com o Ministério da Saúde, que tem por objetivo disseminar informações entre os jovens e promover discussões sobre temas que envolvam a saúde e o desenvolvimento da juventude. A Caravana percorrerá 38 universidades de diversas capitais brasileiras.

Serão abordados temas como: descriminalização e uso de drogas, legalização do aborto, consumo de álcool, violência no trânsito, prevenção de AIDS e doenças sexualmente transmissíveis, políticas públicas para mulheres e planejamento familiar.

O encerramento da Caravana da UNE está previsto para o dia 27 de novembro, em Brasília.

Fonte: www.une.org.br

20 de maio de 2008

UJS cumprimenta o primeiro congresso da JPT.

No último domingo dia 18, foi realizado no auditório da FAMEV, na UFMT, o 1º Congresso da JPT (Juventude do Partido dos Trabalhadores). Foram tirados encaminhamentos da estadual e eleitos os delegados para o congresso nacional desta organização. A UJS foi até este evento saudar os participantes e demonstrar sua amplitude política e respeito com as forças progressistas.

Conhecido por ser um partido dividido em várias tendências, esse congresso é um esforço nacional de uma atuação mais unificada da juventude petista, hoje dispersa em várias juventudes. Algumas correntes como a “Mudança” e a “Quizomba” formam alianças com a UJS em âmbito nacional na UNE. Outras como a “Esquerda Marxista” e os militantes do “Trabalho” formam nossa oposição no movimento estudantil.

A UJS, tendo acumulado nos seus 24 anos de existência uma grande formulação sobre a juventude brasileira, se coloca como uma entidade parceira da recém criada JPT, disputando espaços e idéias em alguns momentos, porém em outros somando esforços na defesa de um Brasil mais justo e um futuro socialista.

UNE e UBES realizam ato em Brasília pela aprovação da PEC da Juventude e reserva de vagas em Universidades Públicas


A UNE e a UBES promovem nesta terça (20) e quarta-feira (21) ato para pressionar parlamentares pela aprovação da reserva de 50% das vagas nas universidades públicas para estudantes oriundos do ensino público com cotas étnicas e pela aprovação da PEC da Juventude.

Estão previstas sessões deliberativas na Câmara dos Deputados para a tarde e noite de terça-feira (20) e para a manhã de quarta-feira (21). De acordo com a presidente da UNE, Lúcia Stumpf, os estudantes ocuparão as galerias do Congresso Nacional para garantir que os dois projetos que estão na pauta de votações da semana sejam aprovados.

"Ficaremos em vigília durante as votações para pressionar os deputados. A aprovação dos projetos cumprirá duas antigas reivindicações do movimento estudantil: mais acesso à universidade pública e o reconhecimento da juventude como setor com significado histórico na construção da democracia".

A pauta de votações da Câmara dos Deputados tem 16 propostas para serem apreciadas pelo Plenário nesta semana. Entre as matérias estão o projeto de lei que trata da reserva de 50% das vagas em universidades públicas para estudantes oriundos do ensino público, com cotas proporcionais de acordo com dados do IBGE para negros e afrodescendentes em cada estado.

Outro projeto que está em pauta é a Proposta de Emenda Constitucional 138/03, conhecida como PEC da Juventude, que insere o termo juventude na Constituição Federal, no capítulo dos Direitos e Garantias Fundamentais, e é considerada relevante para consolidar a política nacional de juventude.

O presidente da UBES, Ismael Cardoso, adiantou que os estudantes farão manifestações pacíficas e irreverentes, marca do movimento estudantil. "Levaremos instrumentos musicais, bandeiras, entoaremos palavras de ordem, tudo para deixar claro aos parlamentares que a juventude está atenta e vai continuar cobrando aprovação de projetos como esses que garantem nossos direitos".

Vem aí 56º CONEG da UNE entre os dias 19 a 22 de junho em Brasília.


O Conselho de Entidades Gerais (CONEG) foi convocado e ocorrerá de 19 a 22 de junho, na Universidade de Brasília (UnB), com o mote: "Mudar a universidade para mudar o Brasil".

Durante o CONEG acontecerá Seminário de Educação, que tem por objetivo fazer a minuta do projeto de universidade da UNE. Até o final de maio será produzido um documento base sobre a educação pública e privada, que ficará disponibilizado no site http://www.une.org.br/, para que os DCE’s, UEE’s e Executivas de Curso possam levantar debates e acrescentar emendas ao documento, que será votado no Seminário de Educação.

Na programação do Conselho está incluída a aprovação da plataforma eleitoral, que definirá as propostas, sugestões e expectativas da UNE para as eleições municipais. Além de oficinas e atividades culturais que já são tradição.

Ao longo do Conselho haverá dois lançamentos: a 6ª Bienal de Arte e Cultura da UNE, que deve ocorrer em fevereiro de 2009 e a Campanha pelo voto consciente e pela participação política da juventude. O Fórum também tem como pauta a convocação do 12º Conselho Nacional de Entidades de Base (CONEB). Pela primeira vez o CONEG vai ter uma ata padrão para as entidades participantes, assim ficará mais fácil organizar os processos.

As entidades que desejam participar devem apresentar os seguintes documentos: Ata de posse; ata de eleição da entidade com a gestão em dia; ata padrão do CONEG preenchida com pelo menos 50% mais um de assinaturas da diretoria da entidade geral e o comprovante de matrícula do delegado/delegada e do suplente. O regimento e a ata do CONEG podem ser baixados no site da UNE.


Os valores já estão definidos tanto para estudantes que participarão como observadores como para as entidades. Quem pretende ir como observador pagará R$80,00 (estudantes com carteirinha de estudante da UNE pagam R$40,00). O preço inclui o alojamento e a participação das atividades. Para as UEE’s o valor é de R$ 350,00. Executivas, Federações e Coordenações de Cursos pagam R$ 200,00. Entidades que representem mais de 20 mil estudantes terão que desembolsar R$ 200,00, já as entidades que representem de 10 mil a 19.999 estudantes pagarão R$ 150,00 e as que representem de 1 a 9.999 estudantes, R$ 100,00 (cem reais). As entidades que emitem carteira de identificação estudantil da UNE terão 50% de desconto na anuidade.


Na reunião também foram deliberados informes sobre a data e a formação de comitês da Caravana da Saúde, informes sobre a Caravana da Anistia pela abertura dos arquivos da ditadura militar e definiram a participação da UNE no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, o Conselhão.

mais informações: www.une.org.br

15 de maio de 2008

NÃO TEM COMO FALAR DE BRASIL SEM FALAR DE UJS!
A União da Juventude Socialista é uma organização política que luta há 24 anos em defesa da juventude brasileira e de um mundo mais justo para nosso povo. Já surge no meio do turbilhão do processo de democratização do país, em 1984, como uma resposta conseqüente à rebeldia dos jovens brasileiros, cansados das atrocidades cometidas pelo sistema político até então vigente. Nasce buscando “o futuro e a liberdade, os direitos que nos são negados, a esperança banida e a atitude subjugada” e, para isso, atua com destaque na Constituinte de 88. Formula e aprova o “Voto aos 16 anos” através do mais novo Deputado Constituinte, também da UJS, Edmilson Valentim.
A partir daí a UJS não parou mais! Desenvolveu de forma pioneira a campanha pelo Fora Collor; as mobilizações contra as privatizações das empresas nacionais; por emprego para juventude; educação pública de qualidade e, na história recente, pela eleição de Lula, barrando o constante ciclo das elites na presidência do país através da eleição desse trabalhador, sindicalista, identificado e comprometido com os anseios do povo brasileiro.
Porém, todas essa lutas fundamentais para a melhoria das condições de vida atual não fizeram nunca a UJS perder o rumo da defesa do Socialismo Científico, formulado por Marx e Engels. Socialismo esse que, no Brasil, tem que ter a cor e o jeito do povo brasileiro. Não á toa, a União da Juventude Socialista lança no seu 8º Congresso, em 1996, a campanha “Socialismo Com a Nossa Cara”. Assim desenvolve a necessidade de luta por um Brasil Socialista, compreendendo as particularidades do país e as formas de avanço desse projeto na conjuntura atual.
Para nós da UJS não dá para se conformar com a exploração do trabalhador, a miséria e a fome que assolam o nosso país. É preciso lutar para a construção de uma sociedade mais justa, democrática e SOCIALISTA. Essa é uma tarefa de todos nós!!!!!
Viva os 24 anos da UJS em defesa da juventude, do Brasil e do Socialismo!

14 de maio de 2008

UNE divulga nota cobrando qualidade no ensino privado



Por mais qualidade no ensino superior privado!

São alarmantes os dados do Censo da Educação Superior 2006 a respeito da composição do quadro docente nas universidades privadas, publicados pela Folha de S. Paulo (12/05/2008). A pesquisa indica que 43% das instituições não cumprem a determinação da LDB de ter 1/3 do quadro de professores contratadas em regime de dedicação integral, ou seja, 40 horas semanais, entre aulas em sala e outras atividades acadêmicas.
O regime de dedicação exclusiva é parte fundamental para a manutenção da qualidade da educação e do fortalecimento do tripé ensino-pesquisa-extensão. É a garantia de que os professores podem dar auxilio aos estudantes fora do horário de aula, dedicarem-se à produção de conhecimento e à orientação acadêmica, assim como ao intercâmbio da produção acadêmica e cultural da universidade com a produção da sociedade através dos projetos de extensão universitária.
Na opinião da UNE, este quadro se mantém porque ainda é frágil a regulamentação do Ensino Privado no Brasil. Batalhamos nos últimos anos para garantir a implementação do Sistema Nacional de Avaliação Institucional (SINAES), importante instrumento de controle público sobre a qualidade do ensino, caso implementado na sua totalidade, pois atualmente o ENADE é o único elemento da avaliação efetivamente implementado.
Em 2007, a UNE organizou boicote ao ENADE exigindo que o SINAES fosse implementado em sua totalidade. Nossa luta não foi em vão e vitórias foram conquistadas. A reunião seguinte da CONAES (Comissão Nacional de Avaliação do Ensino Superior) anunciou na presença do Ministro Fernando Haddad as novas mudanças no sistema. A avaliação estudantil passa a ser uma parte da avaliação de cursos. Isso significa que o resultado do ENADE só vale acompanhado da avaliação das seguintes variáveis: qualificação dos professores, dos currículos dos cursos, do projeto pedagógico, do acervo da biblioteca adaptado à proposta do curso, da infra-estrutura disponibilizada ao aprendizado, à promoção da pesquisa e extensão e das atividades acadêmicas articuladas à prática profissional em cada área.
Vale dizer, entretanto, que a Educação é uma concessão pública, mesmo quando administrada por pessoa jurídica de direito privado. Portanto, apenas a avaliação não é suficiente para evitar abusos. O Estado, através no Ministério da Educação (MEC), precisa assumir a regulamentação do Ensino Privado, desde a abertura dos cursos, acompanhando a trajetória dos mesmos e a competência das instituições para cumprir cada uma das atribuições, a fim de garantir a formação de cidadãos que possam contribuir efetivamente ao desenvolvimento soberano do país.
Medidas como PL de mensalidades da UNE e o PL 7200 da Reforma Universitária ajudam no processo de regulamentação e precisam de força política para combater o lobby das universidades privadas, só assim têm chance de serem aprovadas no Congresso Nacional. Qualidade de Ensino não pode ser uma marca a ser vendida, deve ser o princípio norteador da ação do Estado ante as universidades brasileiras, sejam elas públicas ou privadas.

13 de maio de 2008

À custa de muita luta, os estudantes e jovens cidadãos conquistaram direitos importantes para a construção de uma sociedade mais justa e igualitária. Imagine como foi difícil conquistar o passe-livre, a meia-entrada, a livre organização dos estudantes e muitas outras coisas. Porém, hoje diversos direitos conquistados não vêm sendo cumpridos.

O cumprimento integral dessas leis é uma grande batalha da nossa geração, tão difícil quanto foi a conquista dos nossos direitos. Nós acreditamos que é possível que as leis sejam respeitadas, se todos lutarmos juntos.

Como se diz no manifesto da UJS, somos jovens, artistas, estudantes, intelectuais, unidos por um forte senso de justiça social que lutam contra as opressões de classe presentes em nossa realidade e por uma nova ordem social que nos permita vislumbrar igualdade e respeito entre os povos. Essa nova realidade é o socialismo!

Mas o socialismo que queremos não é utópico, é científico e por isso sabemos que é necessário organizar a juventude e o povo brasileiro para que criemos nós mesmos o nosso projeto de socialismo, sem seguir modelos, pois a nova sociedade não é receita de bolo.

Nesses anos de existência, a UJS já alcançou muitas vitórias, mas ainda é pouco, precisamos evoluir mais e organizar melhor a juventude, em cada escola, fábrica, universidade, banda, time de futebol, onde ela estiver.

Por isso a UJS/MT não é diferente, somos a juventude das mudanças e a mudança é o socialismo! Viva a Juventude Socialista!

Segue o Cronograma, para quem quiser participar e contribuir nas discussões:
Secundaristas
13/05 (Terça): Cefet, Bela Vista
14/05 (Quarta): Herminia
15/05 (Quinta): André Luis
16/05 (Sexta): Tiradentes

19/05 (Segunda): Nilo Povoas
19/05 (Segunda): André Avelino e Benedito
20/05 (Terça): CEFET
20/05 (Terça): Médici
21/05 (Quarta): Liceu Cuiabano
21/05 (Quarta): São Gonçalo
22/05 (Quinta): Dione Augusta


Ensino Superior
14/05 (Quarta) até 23/05 (Sexta): UFMT, todo dia no RU
22/05 (Quinta): Unirondon
22/05 (Quinta): UNIC
23/05 (Sexta): Univag

http://www.ujs.gov.br/

11 de maio de 2008


Outra Face
" Somos educados nos guetos
Somos do mato, da goela do futuro
Com direitos escritos no papel
Com direitos mofados na vida real
Somos juventude educada nas escolas
Nos papiros, na televisão há outra face
Que se aprendeu na rua
A garimpar solidão
Porém, as entrelinhas revelam
Que a esperança não morre jamais.
E é por isso que as águas do rio não
Esquecem o rumo do mar
E a esperança é uma jovem criança
Educada pra não se calar
Ao ver flores tristonhas na sala
Ao ver mãos estendidas na praça
Aí então nossos olhos são réstias de luz
Que se rendem a força do bem
Ao lutar por um mundo melhor".(Ronaldo Muniz)

Só para relembrar que as municipais vão ocorrer:
SINOP - 17/05 (Sábado)
BARRA DOS GARÇAS - 18/05 (DOMINGU)
CUIABÁ - 24/05 (Sábado)
ESTADUAL - 31/05 e 1º de Junho
Convidamos a todos, pois como Ernesto Guevara dizia: "Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros".

8 de maio de 2008

Prévias Municipais!


E vem aí o 14º Congresso da União da Juventude Socialista!!

A entidade realiza seu principal fórum de deliberações de dois em dois anos, para uma análise conjuntural, atualização das bandeiras políticas, planejar os desafios para o biênio seguinte, além de eleger sua nova direção em todos os níveis.
A etapa nacional do Congresso da UJS vai ocorrer entre os dias 12 e 15 de junho na cidade de São Paulo. Antes porém, ocorrerão os congressos estaduais e os congressos municipais.
O Congresso Estadual da UJS, será no dia 31 de maio e 1º de Junho, em local a ser definido pela Direção Municipal. Maiores informações em breve.
Mais as municipais já foram definidas: rondopolis foi o primeiro municipio, agora ainda falta Cáceres: 10/05, Sinop: 17/05, Barra: 18/05 e Cuiabá e Varzea Grande:24/05, lembrando que pessoas de outros municipios podem ir até essas cidades polos para participar dos debates.
Pra já ir entrando no clima, a tese já pode ser lida no site da UJS (http://www.ujs.org.br/2008/abril/tese_14congresso.doc).

"Se o presente é de luta, o futuro nos pertence"

6 de maio de 2008

14º Congresso da UJS


UJS aprova nova data para Congresso Nacional: de 12 a 15 de junho

Aproveitando a mobilização da Conferência Nacional de Juventude, em Brasília, onde todos os estados estão presentes, a Direção Nacional da UJS chamou uma Plenária Nacional extraordinária, no intuito de intensificar os preparativos ao 14º Congresso da UJS.

O Congresso Nacional, que estava marcado para ocorrer entre os dias 29 de maio e 1º de junho, definiu nova data: será entre os dias 12 e 15 de junho, na cidade de São Paulo. A decisão referente ao adiamento foi amplamente comemorada: “estamos num ritmo muito grande de filiações por todo país. 15 dias a mais nesse processo representa dezenas de milhares de novas filiações”, vibrou Ossi Ferreira, secretário-geral da UJS.

“O Congresso é o principal momento para a UJS crescer muito, organizar-se e apresentar ao conjunto da juventude as suas idéias. O 14º Congresso, além de tudo isso começa a construir uma nova fase da nossa organização, mais robusta, mais diversificada e muito mais massiva. Esse desafio foi lançado na Plenária da UJS, em janeiro. Passados mais de três meses, estamos convictos de que a turma abraçou o desafio e entendeu o novo momento. Por isso, temos a certeza de que prorrogar o período de construção do nosso congresso nos trará muitos frutos”, afirmou Marcelo Gavião, presidente nacional da UJS.

Comissão de estrutura confirma local

A comissão de estrutura do congresso confirmou, terça-feira (29), onde será realizado o evento: o local escolhido foi o Parque da Juventude, na capital paulista, na estação de metrô Carandiru. O Parque é um amplo espaço de lazer e prática esportiva, além de possuir prédios com cursos profissionalizantes e de artes. Conta com canchas de tênis, ping pong, futebol, pista de skate, além de outros esportes. Possui também grandes gramados para descanso ou lazer, muitas árvores e áreas para passeio, muitos pássaros e outros animais.

A idéia é fazer um congresso que tenha a marca da discussão política, mas que traga uma programação diversificada, alternada com atividades esportivas, culturais, artísticas, além de debates incluindo a participação de importantes personalidades de diversos segmentos, como artistas, intelectuais, delegações internacionais, artistas, esportistas, jornalistas, apresentadores, dentre outros.

4 de maio de 2008

União da Juventude Socialista


Estatuto da UJS


CAPÍTULO I
Art. 1º - A União da Juventude Socialista, com sede nacional em São Paulo, é uma associação civil sem fins lucrativos, regida pela legislação em vigor e pelo presente Estatuto, sem prazo determinado de duração.

a) é uma organização juvenil, ampla, política e socialista;
b) atua politicamente através do movimento juvenil, buscando responder às especificidades deste e apresenta o socialismo, único sistema capaz de ser alternativa ao capitalismo no Brasil.
Art. 2º - A UJS é uma organização de jovens, principalmente oprimidos e trabalhadores, que atua compreendendo e respeitando a diversidade da juventude. Para tanto, busca contato com todas as manifestações juvenis, desde que não firam seus princípios.
Art. 3º - A União da Juventude Socialista tem por objetivo:
a) defender os direitos da juventude à liberdade, ao trabalho, educação, saúde, esporte, lazer e cultura;
b) a divulgação e estudo do socialismo científico entre a juventude;
c) defender a democracia, a soberania e a independência nacional;
d) defender a natureza e o meio ambiente;
e) promover e participar de eventos em conjunto com as associações culturais, profissionais, juvenis e outras, de acordo com as alíneas a, b, c e d deste artigo.

CAPÍTULO II
Art. 4º - São princípios organizativos da UJS o respeito e o cumprimento das decisões de seus fóruns; a direção coletiva; a valorização do consenso, da identidade de idéias e da unidade política.
Art. 5º - Podem ser membros da UJS todos os jovens até 29 anos de idade que aceitem o Manifesto e o presente Estatuto, e participem dos fóruns e/ou atividades da entidade.
Parágrafo Único – Serão abertas exceções de acordo com a necessidade da organização, sendo discutidas nas respectivas instâncias deliberativas.
Art. 6º - O ingresso para a UJS é individual e se dará através de assinatura de ficha de filiação à organização.
Art. 7º - São direitos dos filiados:
a) participar dos fóruns e reuniões da entidade apresentando e discutindo propostas;
b) eleger e ser eleito para os fóruns da organização e suas direções;
c) recorrer aos fóruns superiores de decisão e questionar as direções sobre assuntos referentes a suas gestões.
Art. 8º - A desfiliação só poderá ocorrer em caso de desrespeito e não cumprimento do presente Estatuto e do Manifesto da organização, desde que aprovado por 2/3 (dois terços) dos membros da instância a que o filiado está diretamente vinculado.
Parágrafo Único – O filiado terá amplo direito de defesa e poderá recorrer da decisão às instâncias deliberativas superiores inclusive ao congresso nacional.

CAPÍTULO III
Art. 9º - São fóruns da UJS, respectivamente:
a) o Congresso Nacional, o Congresso Estadual, o Congresso Municipal e a Assembléia do Núcleo;
b) a Plenária Nacional, a Plenária Estadual, a Plenária Municipal e a Reunião do Núcleo;
Parágrafo Único – Os fóruns nacionais são superiores aos estaduais e assim sucessivamente.
Art. 10º - São estruturas da direção da UJS, nos respectivos âmbitos, a Direção Nacional, A Direção Estadual, A Direção Municipal e a Direção do Núcleo.

Seção I
Dos fóruns
Art.11º - Os Congressos Nacional, Estadual e Municipal reúnem-se ordinariamente a cada dois anos, ou extraordinariamente por convocação das respectivas plenárias.
Art.12º - São atribuições dos Congressos Nacional, Estadual e Municipal da UJS:
a) estabelecer o plano geral de atuação da UJS de acordo com a realidade nacional, estadual e municipal, do movimento juvenil e da juventude brasileira;
b) realizar o balanço da atividade organizativa da UJS e estabelecer o plano estratégico de construção da organização a sua esfera de atuação;
c) definir o número de membros e eleger a direção com método definido pelos delegados;
d) criar, se considerar conveniente, novos fóruns e direções intermediárias no âmbito de sua competência.
Parágrafo Único – Compete somente ao Congresso Nacional realizar, quando necessárias, mudanças no Manifesto e no Estatuto da UJS.
Art. 13º - São delegados aos congressos os filiados eleitos nos fóruns imediatamente inferiores, conforme critérios estabelecidos pelas plenárias correspondentes.
Art. 14º - As plenárias Nacional, Estadual e Municipal reúnem-se ordinariamente a cada seis meses, e extraordinariamente por convocação da direção correspondente ou por 50% +1 (cinqüenta por cento mais um) dos representantes discriminados na alínea b dos artigos 16º e 17º.
Parágrafo Único – Nos locais em que as direções não estiverem funcionando serão realizadas plenárias para definir a posição.
Art. 15º - São atribuições das Plenárias Nacional, Estadual e Municipal:
a) proceder o balanço da aplicação das resoluções dos respectivos congressos e indicar as prioridades de cada momento;
b) realizar os ajustes conjunturais ao plano geral de atuação da UJS;
c) avaliar o trabalho da direção;
d) convocar extraordinariamente e definir em qualquer situação os critérios de participação no congresso correspondente.
Parágrafo Único – As plenárias, de forma extraordinária e convocadas para este fim, poderão substituir os diretores que abandonarem a direção correspondente ou pedirem afastamento, desde que o número não ultrapasse a 1/3 (um terço), quando será obrigatória a convocação de congresso.
Art. 16º - São membros da Plenária Nacional:
a) membros da Direção Nacional;
b) 2 (dois) representantes de cada Direção Estadual.
Art. 17º - São membros das Plenárias Estadual e Municipal:
a) os membros da direção correspondente;
b) representante(s) de cada Direção Municipal ou de Núcleo, conforme o caso.
Parágrafo 1º - Quando o município não possuir Direção Municipal, a Direção Estadual definirá o número de representantes de cada Direção de Núcleo à Plenária Municipal.
Parágrafo 2º - A Plenária Municipal pode, extraordinariamente, se fazer com todos os filiados sendo membros.

Seção II
Das direções
Art. 18º - São atribuições das Direções Nacional, Estadual e Municipal:
a) a direção do trabalho da UJS em seu âmbito de competência;
b) a execução e o controle da aplicação das resoluções das plenárias e congressos correspondentes;
c) a representação da UJS em seu âmbito;
d) deliberar sobre questões de seu âmbito de competência em consonância com as resoluções dos congressos e plenárias da entidade.
Art. 19º - A Direção Nacional é superior à Direção Estadual e assim sucessivamente, respeitando-se o âmbito da competência de cada direção.
Art. 20º - A Direção Nacional será composta pelo presidente, secretário geral, diretor de comunicação, tesoureiro, diretor de formação, diretor de relações internacionais e diretores nacionais com tarefas definidas coletivamente. As Direções Estadual e Municipal terão obrigatoriamente presidente e tesoureiro em sua composição.
Parágrafo Único – As Direções Nacional, Estadual e Municipal poderão, a seu critério, definir uma executiva como coletivo de encaminhamento de suas decisões, subordinada à direção correspondente, sem prejuízo da definição de tarefas entre os membros da direção.
Art. 21º - Compete ao Presidente:
a) representar a organização em juízo ou fora dele;
b) presidir as reuniões da Direção Nacional, as Plenárias e o Congresso Nacional;
c) assinar, junto com o tesoureiro, cheques, papéis e documentos relativos ao movimento financeiro e administrativo da organização.
Art. 22º - Compete ao Tesoureiro:
a) gerir, sob supervisão do Presidente, o movimento financeiro e administrativo da associação apresentando quadrimestralmente, ou sempre que solicitado, o balanço da associação; b) autorizar, juntamente com o Presidente, despesas, pagamentos e aquisição de bens para a sociedade;
c) assinar, juntamente com o Presidente, cheques, papéis e documentos relativos ao movimento financeiro e administrativo da organização.

Seção III
Dos núcleos
Art. 23º - Os núcleos são a materialização da UJS em cada local. São eles que garantem a intervenção viva da organização na realidade de cada setor dos jovens brasileiros.
Art. 24º - Não existem regras formais para a constituição dos núcleos. Eles devem tomar a forma que a realidade exigir.
Art. 25º - Os núcleos realizam periodicamente sua Assembléia, com os seguintes objetivos:
a) estabelecer um planejamento do trabalho de acordo com as resoluções dos fóruns da UJS e com a realidade do seu local de atuação;
b) eleger uma Direção;
c) eleger representante(s) ao Congresso Municipal.
Art. 26º - Participam da Assembléia do Núcleo todos os filiados do núcleo.
Art. 27º - A Direção do Núcleo tem a responsabilidade de dirigir a atuação do núcleo e unificar a ação dos filiados.

CAPÍTULO IV
Art. 28º -
O patrimônio da União da Juventude Socialista será formado através de doações, contribuições dos filiados, e, em caso de dissolução da organização, que só se dará em Congresso Nacional convocado para este fim, será destinado para entidades de caráter assistencial e/ou centros de estudos e pesquisas de caráter não privado.
Art. 29º - Os diretores da UJS não responderão, nem mesmo subsidiariamente, pelas obrigações assumidas pela organização.
Art. 30º - A UJS não se responsabilizará por atos isolados de seus filiados e diretores.
Art. 31º - O presente Estatuto entrará em vigor na data de sua aprovação e só poderá ser alterado no Congresso Nacional.
Art. 32º - Os casos omissos no presente Estatuto serão resolvidos em primeira instância pela Direção Nacional e respectivamente pela Plenária e pelo Congresso
Nacional.

Videos

Loading...