19 de julho de 2008

Na semana passada, ocorreu a comemoração do aniversário da UBES em Mato Grosso, onde diversos debates e passagens nos colégios, lembraram da história e das lutas que a UBES já travou... Na sexta feira, ocorreu uma passiata no centro de cuiabá, para pedir aos governantes, que nessas eleições, eles façam um debate sobre educação, cultura, segurança e outros pontos, nas quais a juventude necessita. No domingo, com o 1º Forum de grêmios de Mato Grosso, uma carta foi lançada para a juventude Matogrossense, sendo feita pela a juventude que acompanhou os debates.
A união da Junvetude Socialista, divulga essa carta, para que todos os secundaristas e universitarios possam somar com essas propostas e com as batalhas que estão por vir...Vamos lutar por maiores direitos da juventude, pois se o presente é de luta, o futuro nós pertence!

A CARTA:

Movimento “Nada Se Constrói Parado”!

Somos estudantes dispostos a dar nossa contribuição para mudar nossas escolas e o Brasil. Com a convocação do Fórum de Grêmios, decidimos nos organizar no movimento “Nada Se Constrói Parado”. A mudança da realidade do Brasil só acontecerá com sua participação nesse grande movimento, ajudando a fortalecer o movimento estudantil em entidades que representem todos os estudantes brasileiros.
Leve essa experiência de volta para sua cidade e escola e venha com a gente para as ruas de Mato Grosso! Com sua ajuda conquistaremos uma nova escola e mudaremos a cara do Brasil.

O Brasil caminha rumo às mudanças!

Em outubro de 2006 Lula foi reeleito após um processo eleitoral acirrado, marcado por grande polarização de projetos para o País. A vitória de Lula representa o êxito de uma nova concepção de País – pautada pelas idéias de aprofundamento da democracia, de reforço da soberania nacional e de inauguração de um novo ciclo de desenvolvimento, com valorização do trabalho, geração de empregos, distribuição de renda e combate às desigualdades sociais.
Mas a oposição e a mídia burguesa trabalham unidas para atrapalhar os avanços, mantendo o governo na defensiva, impondo ao país um bombardeio de boatos e mentiras. Agora, os movimentos sociais precisam fazer seu papel e pressionar fortemente para que Lula com a aprovação popular e capital político que dispõe caminhe decididamente no rumo de mudanças mais profundas e estruturais.
Graças à nossa luta, os primeiros anos de Lula trouxeram muitas conquistas, tais como...

* Democratização do Estado e intenso diálogo com os movimentos sociais;
* Lançamento de conferências democráticas, como a conferência de juventude, da educação básica, cidades e meio ambiente;
* Geração de milhões de empregos com carteira assinada e aumento real do salário mínimo, tirando mais de 20 milhões da linha da pobreza, batendo assim a meta do milênio de redução da pobreza. A taxa de desemprego é a menor nos últimos 10 anos;
* Reduziu a vulnerabilidade externa do país;
* Política externa soberana;
* Programas sociais, como Bolsa Família e Luz Para Todos;
* Avanços na área educacional, como a ampliação de vagas nas universidades públicas com o REUNI, o ProUni, o PDE, o Fundeb, entre diversos outros;
* Oportunidades para a juventude, através de programas como ProJovem, Segundo Tempo, Programa Cultura Viva (Pontos de Cultura), entre outros.
* Fim da DRU.

... Mas persistem insuficiências, que só serão superadas com muita luta:

* Juros altos;
* Elevado superávit primário (economia para pagar despesas da dívida pública);
* Política monetária de liberdade de câmbio, prejudicial à indústria nacional;
* Necessidade de reformas estruturais (agrária, política, urbana, educacional e tributária) que ajudem a distribuir renda e combatam as grandes mazelas nacionais;
* Monopólio dos meios de comunicação;

Assim como Nada Se Constrói Parado, compreendemos que os estudantes Mato-grossenses atuarão de forma decisiva nesse processo de conquista de um novo Brasil.

Nada Se Constrói Parado

Em todo o país os estudantes assumem o papel de protagonistas das mudanças. A UBES (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) lança campanhas nacionais de construção de grêmios e de entidades municipais. Estas entidades defendem uma educação pública, gratuita e de qualidade.
Porém, em Mato Grosso temos uma situação diferente. As entidades estudantis foram destruídas há algum tempo. Hoje não existem mais a ACES (Associação Cuiabana dos Estudantes) e nem a AME (Associação Mato-grossense dos Estudantes). Os grêmios estudantis foram desorganizados.
Para piorar a situação alguns oportunistas criaram entidades fantasmas que não organizam debates, não fazem lutas e votam contra o passe livre. São apenas fabricas de carteirinhas e pegam o dinheiro para o próprio bolso.
Compreendemos que o movimento estudantil tem que possuir instrumentos próprios de financiamento, como a carteirinha da UBES, porém somos contra entidades que nunca realizaram congressos e só existem no cartório, não tendo dialogo com os estudantes.
Assim o movimento “Nada Se Constrói Parado” compreende que temos que reorganizar a AME, e a construção da ACES e muitas entidades municipais em Mato Grosso, construindo um movimento organizado, independente, politizado e combativo.

Para isto Propomos:

· Reconstrução da ACES com a reformulação de seu estatuto;
· Reconstrução da AME e das demais entidades municipais de Mato Grosso, através de fóruns de grêmios e congressos;
· Lutar pela livre organização dos grêmios em todas as escolas, já garantida por lei, mas ainda não respeitada;
· Lutar pela garantia de espaço físico para os grêmios e entidades municipais;
· Filiação das entidades a UBES;
· Financiamento das entidades através da carteirinha da UBES;
· Derrubada da medida provisória 2208/01 que permite a fabricação de carteirinhas pelas entidades fantasmas.

Uma “nova escola” não se constrói parado!

Nos últimos anos assistimos assustados às avaliações educacionais em Mato Grosso. Tivemos avaliações muito negativas das nossas escolas. Vemos hoje os professores lutando contra esta situação e reivindicando justamente um aumento salarial.
Diante desta situação os estudantes não vão ficar parados diante desta situação. Temos que defender uma Nova Escola para mudar a educação de nossa juventude. A atual conjuntura nacional permite a proposição de passos mais ousados na construção de um novo projeto educacional.
Recentemente obtivemos grandes vitórias com a aprovação do governo federal de algumas bandeiras da UBES. O fim progressivo da DRU combinada com a aprovação da lei do FUNDEB irá garantir os investimentos necessários as nossas escolas. Outra grande vitória no plano curricular foi à inclusão da Filosofia e da Sociologia no ensino médio.
Vemos com grande entusiasmo a ampliação do ensino técnico federal com a ampliação dos CEFETs e da Escola Agrotécnica de Cáceres. Alem disso estamos vivendo o processo de criação de novas escolas em Juina, Barra do Garças, Pontes e Lacerda e Campo Novo do Parecis.
O aumento do acesso à educação superior também é uma realidade. A UFMT com a aplicação do REUNI teve recentemente aprovados novos cursos e diversas novas vagas. Além disso, ela ampliou o Campus de Barra do Garças, criou o Campus de Sinop e se prepara para a aprovação do projeto de criação da Universidade Federal de Rondonópolis.
Nas universidades federais outra grande vitória foi a aprovação do Projeto de Lei da reserva de vagas nas universidades públicas para estudantes oriundos de escolas públicas, considerando o sistema de cotas para negros e indígenas de acordo com o censo do IBGE de cada estado.
Assim temos uma situação favorável onde teremos que nos organizar para fazer as mudanças em Mato Grosso, travando lutas no sentido de garantir a valorização do ensino público com aumento das vinculações de recursos municipais e estaduais para a educação. Ao mesmo tempo em que temos que ampliar o debate sobre a educação básica.
O acesso e permanência do estudante na escola têm que ser mais bem debatido. Em Mato Grosso, o passe livre, existe apenas Cuiabá. Temos que articular ações em outras cidades, além de muitas vezes discutir o transporte coletivo municipal e intermunicipal.

Para isto Propomos:

· Defesa das bandeiras históricas da UBES pela construção de uma educação pública, gratuita e de qualidade;
· Defesa do Passe Livre nas demais cidades do Estado e Ampliação em Cuiabá;
· Ampliar o debate sobre a educação básica e a Nova Escola em Mato Grosso;
· Reivindicar o maior acesso e permanência ao ensino superior e técnico;
· Contra propostas de redução da maior idade penal ou que trate a juventude como um problema policial;
· Aumento de verbas para investimentos em infra-estrutura, equipamentos e valorização dos professores;
· Promoção da inclusão digital através da instalação de computadores conectados à internet nas escolas públicas; apoio à proposta de distribuição popular de laptops;
· Ampliação e melhoria dos programas de distribuição do livro didático;
· Participação da Comunidade nas políticas Educacionais escolares;
· Retirada da DRU da Constituição;
· 10% do PIB para a Educação
· Gestão Democrática nas Escolas;
· Eleições diretas para Diretor;
· Orçamento Parcipativo na escola;
· Liberdade de Movimentação Estudantil
· Garantia de Avaliação Justa para membros do Grêmio Estudantil;
· Formação não só de professores, mas sim de Educadores;
o Melhor Valorização e qualificação para os professores do ensino básico, garantindo uma melhoria das aulas tornando-as mais atrativas.
· Criação de cursos Pré-Vestibulares públicos e Gratuitos.
· Criação e Fortalecimento das APEM (Associações de Pais, Estudantes e Mestres).
· Para a Juventude Educação e não Cadeia – Contra a Redução da Maioridade Penal.
· Melhor Capacitação aos Professores de educação Física, fomentando a realização de aquecimento e alongamento antes da atividade física. Além de atividades dinâmicas e interativas.
· Obrigatoriedade das Aulas Teóricas sobre a História, regras dos esportes, Prevenção e manutenção da Saúde.

Se a juventude é levada a sério, o futuro nos pertence!

Os jovens compõem o segmento populacional mais vulnerável na sociedade. Hoje convivem diariamente com a exposição às drogas e à violência. Nossa juventude sofre hoje um verdadeiro processo de extermínio, derivado de um sistema injusto e excludente. Por isto o movimento “Nada Se Constrói Parado” considera de extrema importância à efetivação de avançadas Políticas Públicas de Juventude.
Em 2005 foi criada a Secretaria Nacional de Juventude, que já conta com várias ações e com um Conselho Nacional de Juventude em plena atividade. Este ano tivemos uma grande vitória com a conferencia nacional de juventude, a aprovação do Plano Nacional de Juventude, do Estatuto e da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Juventude. Porém temos que cuidar para que todas as nossas demandas sejam atendidas.
Por isso propomos:
· Estímulo ao fortalecimento das organizações juvenis existentes, respeitando sua autonomia;
· Construção de conselhos municipais de juventude com ampla participação dos movimentos estudantis e juvenis.
· Criação de secretarias municipais de juventude com destinação orçamentária própria;
· Instalação de Comissões Especiais de Políticas de Juventude nas Câmaras Municipais para debater questões sobre a realidade dos jovens brasileiros, bem como projetos e programas ligados à juventude;
A educação vai muito além da sala de aula!
É fundamental que, o jovem, independente de sua classe social, tenha acesso a cultura, esporte e lazer para a sua formação. Para que isso aconteça, a escola e o poder público precisam oferecer condições favoráveis.
Por isso o movimento “Nada se constrói parado” defende a democratização do acesso, da produção e da difusão dos bens culturais e esportivos, com incentivo às expressões e iniciativas juvenis que estejam fora da lógica do mercado.
É para isso que propomos:
· Investimento de 2% do PIB para financiar a cultura;
· Desenvolvimento de campanha entre os jovens para a preservação do patrimônio cultural do município, do estado e do país (conjunto arquitetônico, obras de arte, meio-ambiente, documentos escritos, imagens, danças, músicas, lendas, estórias infantis, etc.);
· Ampliação do Programa Cultura Viva (Pontos de Cultura), do Ministério da Cultura;
· Criação e manutenção dos espaços públicos destinados às práticas culturais e esportivas, como os teatros de arena, ciclovias, pistas de skate;
· Aumento do tempo de permanência do aluno na escola, com o desenvolvimento e ampliação de programas como o Segundo Tempo, do Ministério do Esporte;
· Construção de ciclovias, pistas de skate e de caminhada.
· Implantação de programas orientados de atividade física e ginástica, que sejam oferecidos gratuitamente à população;
· Modernização e ampliação das bibliotecas públicas;
· Incentivo aos jogos e olimpíadas escolares;
· Concessão de bolsas para os jovens atletas;
· Fortalecimento das práticas esportivas e culturais nos assentamentos rurais e em todas as formas de organização popular e comunitária;
· Abertura das escolas nos finais de semana, com programações esportivas, culturais e recreativas voltadas à comunidade.
Os Estudantes Sem Preconceitos, na Construção de uma Nova Sociedade!
· Criação de um cargo dentro dos Grêmios Estudantis voltado ao Combate de todos os Preconceitos.
· Criação de um Dia Nacional de Lutas da UBES contra os Preconceitos.
· Fomentar Debates em todos os Fóruns da UBES acerca do combate aos Preconceitos.

Apóiam estas propostas:

Rarikan Heven – 1° Diretor de Políticas Institucionais da UBES
Felipe Lima Vieira – Vice Presidente da UBES Centro Oeste
Pablo Rodrigo – Vice Presidente da UNE MT/MS
Grêmio Estudantil Nilo Povoas (GENPO)
Grêmio Estudantil São Gonçalo
Grêmio Estudantil Tiradentes (GET)
Grêmio Estudantil Maria Hermínia Alves
Grêmio Estudantil Onze de Março – Cáceres (GEOM)
Grêmio Estudantil União e Força – Cárceres
Grêmio Estudantil Revolução Gremista – Jangada
Jhone de Souza Pereira – Escola Albert Einstein de Guarantã do Norte
Alunos da Escola Agrotécnica de Cáceres
Professor Rogério – Militante do Movimento LGBTT
Professora Rubiane - Jangada

Um comentário:

Anônimo disse...

Lindo Blog....

amei**

Videos

Loading...